"…tempo é um tecido invisível em que se pode bordar tudo, uma flor, um pássaro, um castelo, um túmulo. Também se pode bordar nada. Nada em cima de invisível é a mais sutil obra deste mundo, e acaso do outro."
Faz me acaso
1 day ago
1,333 notes
via · source
reblog this
Nunca me senti bem sozinho:
às vezes era bom,
mas nem sempre.
Charles Bukowski  (via carencias)
1 day ago
1,507 notes
via · source
reblog this
Se o que você está fazendo não está dando resultado, talvez o problema não seja atingir a forma certa, e sim refazer as coisas. Fazer de novo, de um novo jeito. Se o seu jeito não está funcionando, troque de jeito até acertar. Ah, é fácil falar. Claro que é. Mas não é tão difícil assim fazer, não. Sabe por quê? Existem coisas que dependem única e exclusivamente de você. Essas você pode se mover, batalhar, ir atrás. Só que existem tantas outras que dependem de outras pessoas e outros fatores. Daí você vai esquentar a cabeça com isso? Não, por favor. Isso é um crime.
Clarissa Corrêa.  (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)
1 day ago
276 notes
via · source
reblog this
As morais são restritivas, mas são fundadas na experiência humana através dos séculos. Certas morais servem pra encarcerar as pessoas nas fábricas, igrejas e submetê-las ao Estado. Outras fazem sentido. É como um pomar repleto de frutos envenenados e bons frutos. O negócio é saber qual apanhar pra comer, qual evitar.
Charles Bukowski. (via sindrometria)
2 days ago
2,747 notes
via · source
reblog this
Algo me diz que a dor de morrer por dentro é maior que a dor de ser morto. Você é corroído, dilacerado a cada momento, com cada palavra e não pode fazer nada. Dentro de você tem uma bagunça, um furacão, um touro indomável. A morte por dentro dói, ela te faz gritar, te faz chorar, sofrer. Ela nem sempre te mata, mais te faz nunca esquecer.
O menino Charlie.  (via sincronizar)
2 days ago
14,345 notes
via · source
reblog this
Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos. Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra diante vai ser diferente.
— Carlos Drummond de Andrade. (via orgulhar)
3 days ago
13,930 notes
via · source
reblog this
Ela disse: “Estou com tanto medo…” E eu perguntei: “Por quê?” Aí, ela respondeu: “Porque estou me sentindo profundamente feliz. E uma felicidade assim é assustadora.” Voltei a perguntar por quê, e ela prosseguiu: “Só permitem que alguém seja assim tão feliz se estão se preparando para lhe tirar algo”.
O Caçador de Pipas.   (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)
3 days ago
8,794 notes
via · source
reblog this
Esquecer é uma necessidade. A vida é uma lousa, em que o destino, para escrever um novo caso, precisa de apagar o caso escrito
Machado de Assís (via carencias)
5 days ago
4,887 notes
via · source
reblog this
A ausência diminui as paixões medíocres e aumenta as grandes, como o vento apaga as velas e atiça as fogueiras.
Machado de Assis. (via cuidei)
5 days ago
13,968 notes
via · source
reblog this
Do outro lado da rua havia uma loja de discos. O alto-falante tocava música pra mim. Tudo parecia tão calmo e tranquilo lá fora. Ficava ali parado, de pé, tentando lembrar o que poderia ter feito. Sentia vontade de chorar, mas não saía lágrima alguma. Era só uma espécie de tristeza, de náusea, uma mistura de uma com a outra, não existe nada pior. Acho que você sabe o que quero dizer. Todo mundo, volta e meia, passa por isso. Só que comigo é muito frequente, acontece demais.
Charles Bukowski.    (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)
5 days ago
99 notes
via · source
reblog this
Memória é coisa recente. Até ontem, quem lembrava? A coisa veio antes, ou, antes, foi a palavra? Ao perder a lembrança, grande coisa não se perde. Nuvens, são sempre brancas. O mar? Continua verde.
Paulo Leminski  (via quoteiros)
5 days ago
35,235 notes
via · source
reblog this
Se havia uma coisa que ela estava aprendendo com tudo isso era a facilidade com que é possível perder tudo aquilo que se pensa que será para sempre.
Cidade dos Ossos. (via sou-inseguro)
1 week ago
625 notes
via · source
reblog this
Você acha mesmo que tem ainda uns dez anos para dizer o que realmente importa às pessoas que ama? Doce ilusão. Seu tempo acabou. A gente só vive uma vez, você tem certeza que você é aquilo que gostaria de ser? Olhe uma foto sua enquanto criança e compare com o que você se tornou. Se você morrer hoje (acredite, pode acontecer), é assim que você gostaria de ser lembrado? É hora de deixar de ser babaca. Não é bolinho. Eu estou bem no início, recomeçando tudo outra vez, do zero. E você?
Gabito Nunes. (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)
1 week ago
250 notes
via · source
reblog this
Quantas chances desperdicei? Quando o que eu mais queria era provar pra todo o mundo, que eu não precisava provar nada pra ninguém. Me fiz em mil pedaços pra você juntar, e queria sempre achar explicação pro que eu sentia. Fiz questão de esquecer que mentir pra si mesmo é sempre a pior mentira, mas não sou mais tão criança a ponto de saber tudo.
Legião Urbana. (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)
1 week ago
525 notes
via · source
reblog this
É a bronca do homem com essa sociedade urbana industrial moderna que é uma macro máquina projetada sobre nós e que é maior do que nós e que nós temos que nos conformar a ela de um jeito ou de outro, queiramos ou não, pra nos tornarmos viáveis enquanto pessoas, pra podermos pagar as contas no final do mês, a escola das crianças e o aluguel da geladeira…
Paulo Leminski (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)
1 week ago
776 notes
via · source
reblog this
As luzes se apagaram no avião. Ninguém conseguia dormir, mas todo mundo fingiu. Eu não me dei ao trabalho. Tinha um assento de janela e fiquei olhando as casas e as luzes lá embaixo. Tudo arrumadinho em belas linhas retas. Ninhos de formigas. Descemos no Internacional de Los Angeles. Ann, eu te amo. Espero que meu carro pegue, espero que a pia não esteja entupida. Estou feliz por não ter comido uma fanzoca. Estou feliz por não ser muito bom em me meter na cama com estranhas. Estou feliz por ser um idiota. Estou feliz por não saber nada. Estou feliz por não ter sido assassinado. Quando olho para minhas mãos e elas ainda estão nos meus pulsos, penso comigo mesmo: sou um cara de sorte.
Charles Bukowski.  (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)