"…tempo é um tecido invisível em que se pode bordar tudo, uma flor, um pássaro, um castelo, um túmulo. Também se pode bordar nada. Nada em cima de invisível é a mais sutil obra deste mundo, e acaso do outro."
Faz me acaso
3 days ago
13,763 notes
via · source
reblog this
Estou bem, só que não tenho apetite. Meus nervos costumam me dominar, especialmente aos domingos; é quando me sinto péssima. A atmosfera é sufocante e pesada como chumbo. Lá fora não se ouve um pássaro, e um silêncio mortal e opressivo paira sobre a casa e se gruda em mim, como se fosse me arrastar para as regiões mais profundas dos abismos subterrâneos. Em tempos assim, papai, mamãe e Margot não têm a menor importância para mim. Ando de cômodo em cômodo, subo e desço escadas e me sinto um pássaro de asas cortadas, que fica se atirando contra as barras da gaiola. “Me deixem sair para onde existem ar puro e risos!”, grita uma voz dentro de mim. Nem mesmo me incomodo mais em responder, só fico deitada no divã. O sono faz o silêncio e o medo terrível irem embora mais depressa, ajuda a passar o tempo, já que é impossível matá-lo.
O diário de Anne Frank.  (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)
1 week ago
2,033 notes
via · source
reblog this
Nunca me senti bem sozinho:
às vezes era bom,
mas nem sempre.
Charles Bukowski  (via carencias)
1 week ago
2,017 notes
via · source
reblog this
Se o que você está fazendo não está dando resultado, talvez o problema não seja atingir a forma certa, e sim refazer as coisas. Fazer de novo, de um novo jeito. Se o seu jeito não está funcionando, troque de jeito até acertar. Ah, é fácil falar. Claro que é. Mas não é tão difícil assim fazer, não. Sabe por quê? Existem coisas que dependem única e exclusivamente de você. Essas você pode se mover, batalhar, ir atrás. Só que existem tantas outras que dependem de outras pessoas e outros fatores. Daí você vai esquentar a cabeça com isso? Não, por favor. Isso é um crime.
Clarissa Corrêa.  (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)
1 week ago
374 notes
via · source
reblog this
As morais são restritivas, mas são fundadas na experiência humana através dos séculos. Certas morais servem pra encarcerar as pessoas nas fábricas, igrejas e submetê-las ao Estado. Outras fazem sentido. É como um pomar repleto de frutos envenenados e bons frutos. O negócio é saber qual apanhar pra comer, qual evitar.
Charles Bukowski. (via sindrometria)
1 week ago
3,025 notes
via · source
reblog this
Algo me diz que a dor de morrer por dentro é maior que a dor de ser morto. Você é corroído, dilacerado a cada momento, com cada palavra e não pode fazer nada. Dentro de você tem uma bagunça, um furacão, um touro indomável. A morte por dentro dói, ela te faz gritar, te faz chorar, sofrer. Ela nem sempre te mata, mais te faz nunca esquecer.
O menino Charlie.  (via sincronizar)
1 week ago
15,512 notes
via · source
reblog this
Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos. Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra diante vai ser diferente.
— Carlos Drummond de Andrade. (via orgulhar)
1 week ago
18,134 notes
via · source
reblog this
Ela disse: “Estou com tanto medo…” E eu perguntei: “Por quê?” Aí, ela respondeu: “Porque estou me sentindo profundamente feliz. E uma felicidade assim é assustadora.” Voltei a perguntar por quê, e ela prosseguiu: “Só permitem que alguém seja assim tão feliz se estão se preparando para lhe tirar algo”.
O Caçador de Pipas.   (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)
1 week ago
8,804 notes
via · source
reblog this
Esquecer é uma necessidade. A vida é uma lousa, em que o destino, para escrever um novo caso, precisa de apagar o caso escrito
Machado de Assís (via carencias)
1 week ago
5,068 notes
via · source
reblog this
A ausência diminui as paixões medíocres e aumenta as grandes, como o vento apaga as velas e atiça as fogueiras.
Machado de Assis. (via cuidei)
2 weeks ago
13,988 notes
via · source
reblog this
Do outro lado da rua havia uma loja de discos. O alto-falante tocava música pra mim. Tudo parecia tão calmo e tranquilo lá fora. Ficava ali parado, de pé, tentando lembrar o que poderia ter feito. Sentia vontade de chorar, mas não saía lágrima alguma. Era só uma espécie de tristeza, de náusea, uma mistura de uma com a outra, não existe nada pior. Acho que você sabe o que quero dizer. Todo mundo, volta e meia, passa por isso. Só que comigo é muito frequente, acontece demais.
Charles Bukowski.    (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)
2 weeks ago
128 notes
via · source
reblog this
Memória é coisa recente. Até ontem, quem lembrava? A coisa veio antes, ou, antes, foi a palavra? Ao perder a lembrança, grande coisa não se perde. Nuvens, são sempre brancas. O mar? Continua verde.
Paulo Leminski  (via quoteiros)
2 weeks ago
36,037 notes
via · source
reblog this
Se havia uma coisa que ela estava aprendendo com tudo isso era a facilidade com que é possível perder tudo aquilo que se pensa que será para sempre.
Cidade dos Ossos. (via sou-inseguro)
2 weeks ago
1,270 notes
via · source
reblog this
Você acha mesmo que tem ainda uns dez anos para dizer o que realmente importa às pessoas que ama? Doce ilusão. Seu tempo acabou. A gente só vive uma vez, você tem certeza que você é aquilo que gostaria de ser? Olhe uma foto sua enquanto criança e compare com o que você se tornou. Se você morrer hoje (acredite, pode acontecer), é assim que você gostaria de ser lembrado? É hora de deixar de ser babaca. Não é bolinho. Eu estou bem no início, recomeçando tudo outra vez, do zero. E você?
Gabito Nunes. (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)
2 weeks ago
375 notes
via · source
reblog this
Quantas chances desperdicei? Quando o que eu mais queria era provar pra todo o mundo, que eu não precisava provar nada pra ninguém. Me fiz em mil pedaços pra você juntar, e queria sempre achar explicação pro que eu sentia. Fiz questão de esquecer que mentir pra si mesmo é sempre a pior mentira, mas não sou mais tão criança a ponto de saber tudo.
Legião Urbana. (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)
2 weeks ago
651 notes
via · source
reblog this
É a bronca do homem com essa sociedade urbana industrial moderna que é uma macro máquina projetada sobre nós e que é maior do que nós e que nós temos que nos conformar a ela de um jeito ou de outro, queiramos ou não, pra nos tornarmos viáveis enquanto pessoas, pra podermos pagar as contas no final do mês, a escola das crianças e o aluguel da geladeira…
Paulo Leminski (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)